quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Meio Ambiente Nagoya cúpula de biodiversidade para 2010

cúpula de biodiversidade devem abordar os impactos destrutivos da produção de alimentos
delegados Nagoya necessidade de planejar como o mundo atinge a segurança alimentar, antes de chegar a pontos críticos de ecossistemas tombamento


Florestas no Brasil têm sido cortadas para dar lugar a culturas como a soja.


Governos de todo o mundo chegará em Nagoya, no Japão, na próxima semana para o nível ministerial de segmento alto da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) de reunião. Sua tarefa é difícil. Mesmo modesta, o objectivo estabelecido em 2002, de reduzir a taxa de biodiversidade até 2010 a perda provou fora do alcance das estratégias atuais. Mas ao invés de torcer as mãos sobre a maré de perda de espécies que varreu o planeta, os delegados devem voltar sua atenção para a causa raiz do problema: as formas em que encontramos a nossa necessidade de alimento.

O que faz oferta de alimentos têm a ver com a conservação das espécies? Tudo. É um fator primordial para as cinco principais pressões que causam a perda de biodiversidade (mudança de habitat, sobreexploração, poluição, espécies invasoras e mudanças climáticas).



Enquanto a produção de alimentos depende da colheita generosidade da natureza, a produção de alimentos, muitas vezes degrada os ecossistemas muito depende. A Amazônia brasileira, por exemplo, fornece água e serviços essenciais que a regulação do clima do setor agrícola da região depende para sua sobrevivência. No entanto, um quinto da Amazônia brasileira tem sido desmatadas, principalmente por agricultores e pecuaristas.

Os delegados na conferência diante de um paradoxo. Aumentos dramáticos na produção de alimentos nos últimos 50 anos têm apoiado a melhorias significativas no bem-estar humano, mas ao mesmo tempo, têm diminuído a diversidade da Terra e da capacidade de prestação de serviços ambientais (incluindo peixes, alimentos, água doce, polinização, regulação e água).

A Amazônia, por exemplo, poderia chegar a um ponto devido ao desmatamento, onde se morre de volta e transforma-se, como a vegetação de savana. A redução das chuvas que assolam esforços para aumentar as colheitas e gado na região.

Somando-se ao crescimento da população, o desafio eo aumento da renda per capita são esperados para o dobro da demanda por alimentos nos próximos 40 anos, segundo a ONU, a comida eo chefe da agricultura, Jacques Diouf. Para conceber uma nova estratégia de sucesso para preservar a diversidade da vida na Terra, a CDB precisa dar um salto quântico em termos da sua parceria com os produtores de alimentos, alterar a forma como o mundo atinge a segurança alimentar, antes de atingir os ecossistemas dos pontos críticos de derrubada em face do que nunca crescente demanda por alimentos e mudanças climáticas.

A nova estratégia de biodiversidade mundial 2020 em discussão no Nagoya devem incidir em primeiro lugar na redução da pressão da produção de alimentos sobre a biodiversidade e os ecossistemas. Três estratégias-chave pode ajudar a atender o objetivo de maximizar o uso da terra existentes para minimizar a perda de alimentos e ecossistema mais.

• Recuperar áreas degradadas

Globalmente, mais de 1 bilhão de hectares de terra se acredita ter potencial de restauração. Restaurando mesmo uma parte pequena deste para a produção de alimentos contribuiria para reduzir a pressão sobre os ecossistemas naturais. Na Indonésia, por exemplo, o World Resources Institute (WRI) pretende desenvolver um modelo escalável para o desvio de óleo de palma novas plantações que poderiam substituir virgens florestas em terrenos degradados.

• Aumentar a produtividade em fazendas existentes

Embora a intensificação não imediatamente vêm à mente quando se pensa em conservação, é, no entanto, uma estratégia essencial para reduzir o estresse sobre os ecossistemas naturais. Precisamos implantar tecnologias comprovadas que utilizam os serviços do ecossistema muito mais eficiente, como novas variedades de sementes, irrigação por gotejamento, manejo integrado de pragas e na agricultura de conservação.

• Gerir a demanda por alimentos

Oportunidades de gestão da procura de alimentos incluem a promoção da utilização de proteínas vegetais sobre a carne, reduzindo o desperdício de alimentos - estimado em cerca de 40% dos alimentos produzidos nos Estados Unidos - e avançar os programas de certificação e outros tipos de incentivos para a produção sustentável de alimentos. Por exemplo, o Comércio Justo está pagando os agricultores afegãos quase o dobro da taxa indo para a prestação de passas que atendam a critérios ambientais, tais como o uso sustentável da água - e fazendo um negócio viável dele.

A proposta de plano estratégico 2011-2020 que os ministros vão discutir em Nagoya inclui algumas metas para enfrentar os impactos destrutivos da produção de alimentos - como a redução da poluição proveniente de gestão agrícola de nutrientes run-off e promoção do desenvolvimento sustentável. Mas um esforço muito maior e mais abrangente é necessária. Muito da estratégia leva um "remove-os impactos-se", uma receita para repetir a decepção de não cumprimento das metas de 2010 para reduzir a perda de biodiversidade.

Se, em 2050, o mundo comemora o sucesso na prestação de segurança alimentar e na navegação ecológica pontos de ruptura, será por causa da ingenuidade dos agricultores e ambientalistas, especialistas em agricultura e ambientalistas para encontrar formas de aprender e de agir em conjunto.

• Janet Ranganathan, é vice-presidente de ciência e pesquisa na WRI. Frances Irwin é um ex-associado em instituições da WRI e programa de governação

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Brasil se prepara para leiloar grandes pedaços da Amazônia para empresas madeireiras.

Pode parecer chocante, mas de acordo com relatórios pela Reuters, o Brasil se prepara para leiloar grandes pedaços da Amazônia para empresas madeireiras. No final do ano 2,47 milhões de hectares de florestas vão sob gestão privada, com 27 milhões de hectares privada controlada dentro de cinco anos - que é uma área do tamanho da Virgínia.



Atualmente, apenas 370 mil hectares são alocados para concessões madeireiras privadas. os povos indígenas têm sido atribuídos 47 milhões de hectares, com os camponeses reassentados sendo concedido 21 milhões.
A coisa toda está sendo feito em nome do combate ao desmatamento e mudanças climáticas - de acordo com o chefe do Nacional do Brasil do Serviço Florestal, "O futuro da Amazônia ... é fortalecer a gestão florestal, não vejo outra solução.. "


Embora as taxas de desmatamento vêm caindo na Amazônia, extração ilegal de madeira e desmatamento para a agricultura é muito difícil de aplicar, razão pela qual o Serviço Florestal considera que a gestão privada das florestas pode fazer um trabalho melhor.

E o diabo é decididamente nos detalhes.
Em primeiro lugar, o acompanhamento ea transparência das explorações de madeira é essencial, bem como envolver as partes interessadas da comunidade - tanto dos que foram prometidos, mas só a prática vai ver como isso funciona realmente. São as concessões de madeira vai ser gerido no âmbito de um programa de certificação reconhecido e comprovadamente bem-sucedida? Nem todos são iguais, ou seja Forest Stewardship Council florestas em relação ao Sustainable Forestry Initiative.

Em segundo lugar, há a questão da privatização dos recursos públicos, o que (talvez surpreendente para uma platéia repleta de políticos dos EUA divide) foi criada por políticos conservadores brasileiros quando maiores concessões florestais foram empurrados em 2003.



Compreendendo a necessidade real de expediente para retardar e impedir o desmatamento - mas tendo em mente que as recentes intensificados os esforços de aplicação aparentemente estão trabalhando juntos - não privatização de um bem comum, apenas reforçam a mentalidade pequena de auto-interessada, que leva as pessoas a saia da margem da lei, ou flagrantemente violam, em primeiro lugar? Ele reforça a noção de que as florestas são apenas commodities, cujo valor é definido apenas economicamente e não intrinsecamente.

Tenha em mente que, apesar de subsistência de corte-e-queima a agricultura, historicamente foi o principal motor do desmatamento, (com a sua crescente demanda de recursos) e da agricultura nas exportações são as principais causas.

Nenhum dos dois, o que significa que algum equilíbrio não pode ser alcançado, com a preservação da floresta priorizados, apenas que existem algumas questões muito grande práticos e conceituais em jogo.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Hidrelétricas no Teles Pires podem tirar vida do rio, diz especialista

Um dos impactos da possível construção de seis hidrelétricas no rio Teles Pires é a extinção dos chamados peixes reofílicos, ou seja, os peixes de correnteza, é o que diz o professor do departamento de botânica e ecologia do Instituto de Biociências da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Francisco de Arruda Machado, conhecido como Chico Peixe. Ele diz que com a construção de barragens os peixes migradores tendem a desaparecer, pois se perdem nas áreas alagadas.




“Muito se questiona sobre queimadas e desmatamento, mas nunca se contabilizam os prejuízos do desmatamento por afogamento de matas”, diz Francisco. “Isso também é nocivo para o fluxo migratório de espécies de correnteza, pois as ovas precisam de água corrente para nascer, do contrário, se perdem nas lagoas formadas ao redor da barragem e apodrecem”, explica.

No último dia 5, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) recebeu os estudos de impacto ambiental (EIA/Rima) da Usina Hidrelétrica de Teles Pires e a partir de agora será dado inicio à análise técnica do mérito.

No relatório, os técnicos também fazem menção ao problema envolvendo os peixes: “pode-se citar a alteração do regime fluvial e a interferência sobre o processo migratório de peixes, que se agrava conforme a passagem do barramento, do mais a jusante ao mais a montante, alterando as condições originais de rio e provocando a sobrevivência de espécies distintas daquelas inicialmente ocorrentes”. Para Francisco é uma pena, uma vez que as características do Teles Pires o colocam entre os rios mais piscosos que existem.

As usinas serão construídas em seis localidades ao longo do rio Teles Pires: Sinop, Colíder, Salto Magessi, São Manoel e Foz do Apiacás. Os reservatórios terão 152 quilômetros quadrados de área total, podendo gerar até 1.820 MW de energia, de acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Para o professor da UFMT, os prejuízos com as barragens não compensam a energia gerada. “O que a gente precisa se perguntar é: precisamos de toda essa energia? Se olharmos no site da Aneel vamos ver que existe uma sobra muito grande de energia no país, no entanto, estamos tratando geração de energia como um comércio, e isso não é justo para as comunidades ribeirinhas e tradicionais que sobrevivem do rio”.

Share