quinta-feira, 24 de junho de 2010

Pecuária que ameaça a Amazônia

Limpeza de terrenos para o gado é responsável por 80 por cento de perda de floresta na Amazônia brasileira. Mas com a pecuária da Amazônia agora um negócio de bilhões de dólares, os compradores das empresas de carne bovina e couro, incluindo o Wal-Mart, estão começando a exigir que a destruição da floresta seja interrompida.




Na Amazônia brasileira, 80 milhões de cabeças de gado - quase tantas como existem em todos os Estados Unidos - agora pastar na terra que já foi floresta tropical ou biologicamente rico, pastagem arborizada conhecida como cerrado. Uma área maior que a França está entregue ao gado, tornando-pecuária, de longe, o maior condutor do desmatamento na Amazônia do Brasil, responsável por mais de três quartos da perda da floresta.

Os grupos ambientalistas têm alertado há anos que a produção de gado está engolindo pedaços enormes da maior floresta tropical do mundo, mas as suas campanhas não tiveram nenhum impacto perceptível sobre o desmatamento. Desmatamento continua elevado, enquanto a produção de carne tem continuado a expandir-se, permitindo que a indústria se torne um rolo compressor, económica e política, aparentemente imparável.

Mas, na restauração de conglomerados servindo um mercado internacional - parte de uma tendência nos últimos 20 anos em que as empresas industriais tenham substituído os agricultores pobres, como os principais agentes do desmatamento - os produtores deixaram-se expostos a reação do consumidor. É difícil para um grupo ambiental para atingir um agricultor de subsistência que está limpando a terra para alimentar sua família, é muito mais fácil ir atrás de uma empresa multinacional. Assim, ironicamente, em sua força, a multibilionária indústria pecuária brasileira desenvolveu um calcanhar de Aquiles.



Em junho, o Greenpeace alavancado essa vulnerabilidade. O grupo verde emitidos "Abate na Amazônia", um relatório que liga importantes corporações globais - incluindo o Wal-Mart, Nike, e os franceses baseados em cadeia de supermercado Carrefour - para operações de gado que estão ilegalmente clareira da floresta amazônica. A precipitação foi imediata e significativa, e agora um número de jogadores importantes estão se movendo para aproveitar o impulso do relatório listando gigantes do varejo para a compra da Amazônia carne e couro provenientes de fontes mais sustentáveis.

Aqueles que procuram diminuir o desmatamento da Amazônia brasileira face desafios assustadores em uma região onde a anarquia, intimidação e violência, muitas vezes governou. Mas a publicação do relatório do Greenpeace jump-started mercado overnight de carne certificada e couro, com os maiores compradores do mundo agora interessado em criar uma cadeia de suprimentos através do qual a carne e couros podem ser rastreados para fazendas que pararam de arrasar a floresta e empregam boas práticas ambientais. Alguns fazendeiros, empresas e grupos de conservação estão considerando o uso de técnicas sofisticadas - incluindo o recurso a fotografias de satélite ea implantação de pequenas etiquetas de identificação eletrônica de bovinos - para criar um forte sistema de certificação.

relatório do Greenpeace, com base em uma investigação de três anos, disse que o governo brasileiro investiu US $ 2,65 bilhões em três grandes carne e empresas de processamento de couro que tenham sido protagonistas na condução do desmatamento. Greenpeace identificou uma série de marca das empresas internacionais que fazem negócios com três empresas, incluindo fabricantes de calçados Nike, Adidas, Reebok e Timberland. O relatório destacou na medida em que os produtos brasileiros acabam de gado em uma ampla gama de bens de consumo, de hamburgers supermercado Nike Airs.

Após o relatório do Greenpeace foi lançado, maiores clientes da carne de bovino do Brasil - incluindo a Wal-Mart e Carrefour - anunciou que iria suspender os contratos com os fornecedores envolvidos no desmatamento da Amazônia. Nike e da empresa de calçados Timberland fez o mesmo. Internacional do Banco Mundial Finance Corporation retirou um compromisso empréstimo de US $ 90 milhões de Bertin, maior exportador mundial de carne de segunda maior. investigadores brasileiros invadiram os escritórios da JBS, o processador o maior do mundo de carne, e outras empresas, prender executivos de corrupção, fraude e conluio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Share