segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Amazônia e Mata Atlântica ameaçadas: interesses políticos para diluir o Código Florestal

Um grupo de legisladores do Brasil, conhecida como "ruralistas", estão trabalhando para mudar aspectos importantes do ponto de referência do Brasil de 1965 Código Florestal, o que prejudica a protecção das florestas na Amazônia e Mata Atlântica (também conhecido como a Mata Atlântica) e, talvez, anunciando uma nova era de desmatamento crescendo.

Os ruralistas, ligados ao agronegócio e grandes latifundiários, estão tendo como objectivo a parte do código florestal, que exige proprietários de terras na Amazônia para reter 80 por cento da sua área de terras como reserva legal, argumentando que a lei ameaça o desenvolvimento agrícola.




Além disso, os legisladores estão propondo mudanças para as áreas do código 'de Preservação Permanente (APPs), que identifica as florestas nativas devem ser protegidos, inclusive às margens dos rios, encostas íngremes, e colinas. Os ruralistas querem as APPs a ser regulamentada pelos estados e não pelo governo federal, permitindo que os estados de cortá-los pela metade, se assim o escolher. World Wildlife Fund-Brasil (WWF) argumenta que, se essas mudanças passam eles poderiam espalhar o desmatamento em uma taxa sem precedentes desde a década de 1980.

"As discussões deveriam ter sido baseada na ciência, não em argumentos distorcidos e oblíqua", disse Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza, diretor de Conservação do WWF-Brasil, WWF em um artigo. "A comunidade científica tem sido muito pouco consultados na elaboração deste documento."

No entanto, os ruralistas argumentam que as ONGs ambientais estão em conluio com governos estrangeiros para minar a soberania brasileira.


"Constrangido pela evidência das suas ambições mesquinhas, as nações ricas usam o braço longo de sua ONG, que desembarcam no Brasil, como portadores de boas notícias em defesa da natureza, mas não pode ocultar a causa que eles estão realmente defendendo: os interesses das nações onde têm a sua sede, e de onde recebem os seus fundos abundantes ", escreve o deputado do partido comunista brasileiro Aldo Rebelo em um comunicado sobre a necessidade das mudanças. No entanto, a conspiração de governos estrangeiros que trabalham para minar a soberania brasileira na Amazônia tem sido largamente desacreditada no Brasil e no exterior.

Até à data, o Código Florestal, que é sem dúvida a lei mais mata-friendly do mundo, deveria ter deixado mais de 100 milhões de hectares protegidos. Mas o código é muitas vezes ignorada e raramente executadas: o desmatamento ilegal cortar o montante deveria ser protegida por mais de 40 por cento. No entanto, enquanto o Código Florestal não tem sido devidamente aplicadas, ainda é apontado como um dos principais instrumentos para trás taxa de desmatamento do Brasil a diminuir.

Os ruralistas também propor anistia para qualquer proprietário que proteger terras desmatadas ilegalmente, o que de acordo com a WWF-Brasil inclui 43 milhões de hectares de floresta derrubada equivale a 14,6 bilhões de toneladas de emissões de gases. Se aprovadas, as mudanças na lei florestal poderia prejudicar as chances do Brasil de manter o seu desmatamento e das emissões de gases com efeito de estufa objetivos. O governo do Brasil tem ambicioso prometeu reduzir o desmatamento em 70 por cento os níveis de 1996-2005 até 2018, e reduzindo as emissões de gases de efeito estufa em aproximadamente 5 bilhões de toneladas.



WWF-Brasil afirma ainda que os agricultores e pecuaristas brasileiros não têm nenhuma necessidade de derrubar mais floresta para aumentar a produção agrícola. A organização aponta um relatório da Universidade de São Paulo (USP / ESALQ), que mostrou que apenas APPs afetou a produção agrícola em 1,5 por cento. As organizações ambientalistas afirmam que os estudos têm mostrado que os agricultores e pecuaristas brasileiros pode aumentar significativamente a produção, trabalhando para aumentar a produtividade ao invés de cortar mais floresta.

"O projeto de lei, se aprovada seria um sério movimento para trás da política florestal e de proteção da floresta", Sergio Abranches, co-criador do site de notícias ambientais do Brasil , O Eco, disse mongbay.com. "Apesar de tudo, acho que o projeto não vai ter uma votação final deste ano. Após as eleições [em outubro], o meu sentimento é que nós vamos ter uma mais objetiva e baseada em ciência discussão sobre como atualizar o Código Florestal e como conciliar a conservação da floresta ea produção agrícola. "

O combustível foi adicionado ao fogo político na semana passada, quando um relatório foi divulgado pelo grupo E.U. Desmatamento Evitado Partners (ADP) ea União Nacional de Agricultores alegou que os agricultores E.U. podia ver os crescimentos de receitas na casa dos bilhões ($ 141 - 221 bilhões dólares entre 2012-2030) se desmatamento foi reduzido e, eventualmente, parada em países como o Brasil, devido aos preços elevados das mercadorias. Ver provas de ingerência externa, o ruralistas têm utilizado este relatório para rally de mudar a lei da floresta. No entanto, a ADP ea União Nacional de Agricultores já disponibilizou um segundo relatório que afirma agricultores brasileiros também pode ver bilhões de dólares em novas receitas a partir dos preços elevados das mercadorias e pagamentos de carbono para manter florestas em pé.

Mas os preços das commodities pode agravar a pobreza ea fome no mundo. picos rápidos nos preços dos alimentos pode agravar crises como aqueles vistos em 2006, onde milhões de pessoas enfrentam a fome desesperada. A ONU estima que actualmente um bilião de pessoas no mundo não recebem comida suficiente, embora a agricultura mundial produz atualmente quantidade suficiente para alimentar todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Share