terça-feira, 21 de setembro de 2010

áreas protegidas no Brasil

Novas áreas protegidas no Brasil contribuiu para uma queda substancial na taxa de desmatamento na Amazônia

As áreas protegidas na Amazônia brasileira estão provando ser altamente eficaz na redução da perda de floresta na maior floresta tropical do mundo, relata um novo estudo que analisa as tendências do desmatamento e em torno de terras indígenas, parques, explorações militares reservas de uso sustentável.




A pesquisa, publicada na primeira edição dos Anais da Academia Nacional das Ciências (Proceedings of National Academy of Sciences), constatou que 37 por cento da recente queda no desmatamento na Amazônia brasileira pode ser atribuído às áreas protegidas recém-criada . Entre 2002 e 2009, o Brasil incluiu um número estimado de 709 mil quilômetros quadrados de floresta amazônica - uma área maior do que o estado do Texas - em seu Programa de Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA). Enquanto isso, o desmatamento na Amazônia brasileira caiu quase três quartos, entre 2004 e 2009.


O documento - escrito e co-autoria de 12 pesquisadores de cinco instituições no Brasil e nos Estados Unidos - concluiu-se que 115 das 206 áreas protegidas criadas desde 1999 estão se tornando mais eficaz na redução do desmatamento, clareiras da floresta sem deslocamento das áreas desprotegidas (um conceito conhecido como "fuga"). Os resultados indicam que as áreas sob proteção no Brasil são recentes, em vez de "parques de papel" - reserva que são tão ineficazes que parecem existir apenas no papel. Apurou-se que as reservas indígenas são áreas protegidas como mais eficaz na redução do desmatamento.




Com o ambicioso plano do governo brasileiro em mente, para reduzir a taxa de desmatamento anual de 80 por cento em 2020, a partir de uma base histórica de 19.500 quilômetros quadrados por ano, os autores estimam que a área protegida, estabelecida entre 2003 e 2008, reduziu 180000-360000 quilômetros quadrados de desmatamento de florestas tropicais até 2050, evitando a emissão de 2,2-4400000000 toneladas métricas de carbono. Adicionando a 127 mil km2 de novas áreas protegidas a ser instituído pelo ARPA, os autores dizem que o programa pode reduzir as emissões de carbono em cinco bilhões de toneladas métricas em 2050, ou aproximadamente 16% dos atuais emissões anuais vem atividades humanas.

Mas o programa de conservação implica custos económicos significativos em termos de gestão de áreas protegidas, bem como as atividades que não fazem os madeireiros, pecuaristas e agricultores. O custo de manter o potencial de armazenamento de carbono e produtividade biológica da floresta, através da ARPA, serão cerca de US $ 150 bilhões nos próximos 30 anos, o estudo estima.

No entanto, embora o preço parece alto, acaba por ser de US $ 5,40 por tonelada de carbono - muito mais barato do que a maioria das abordagens de redução de emissões, as abordagens que podem ser obtidos facilmente. Assim, os autores argumentam que o REDD - um mecanismo proposto para mitigar as alterações climáticas, através da qual os países industrializados compensar as nações tropicais para reduzir o desmatamento - pode ajudar a pagar o programa de áreas protegidas.

"Os investimentos na redução de 23/09 [bilhões de toneladas] das emissões de CO2, a emissão é esperado nos próximos 30 anos, o que equivaleria a E.U. $ 1927-1984000000000 se não houvesse áreas protegidas", escrevem eles. "Com o pagamento anual, que representam 1% do investimento global atual em energia limpa (E.U. $ 148400000000), a redução das emissões da Amazônia protegida montante áreas de redução de 10% das emissões de desmatamento em todo o mundo mas seria mais eficaz em termos de custo ".



Os pesquisadores observam que os custos econômicos do programa são compensados por "os benefícios económicos da manutenção da floresta, incluindo a protecção dos regimes de chuvas, a redução na incidência de queimaduras ou incêndios e perdas associados, a saúde humana, os sistemas de potencial agrícola florestal, bem como no valor da biodiversidade. "

As áreas protegidas da Amazônia brasileira e os pontos quentes do desmatamento entre 2004 e 2007. O Arco do Desmatamento compreende o leste, sul e sudoeste da Amazônia. AC, Acre, AM, Amazonas, AP, Amapá, MA, Maranhão, MT, Mato Grosso, PA, Pará, RO, Rondônia, RR, RO, TO, Tocantins.



"É difícil quantificar esses benefícios e são geralmente ignorados nas avaliações econômicas de REDD (29). Em outras palavras, as avaliações dos custos de oportunidade econômica de áreas protegidas deve ser equilibrada tanto pelos benefícios económicos associados com a conservação da floresta como os custos de programação de redução do desmatamento, que pode ser muito pequeno. "

Os autores afirmam, em conclusão que a única rede de áreas protegidas do Brasil não é suficiente para salvar a Amazônia. Os esforços para proteger a floresta deveria incluir os proprietários privados, que podem ser atraídos por incentivos financeiros e acesso ao mercado sobre os preços de madeira em bruto e de produtos agrícolas de produção responsável. Também é fundamental para melhorar o zoneamento e monitoramento do uso da terra e fazer cumprir as leis para manter esse uso da Amazônia como um ecossistema saudável e produtiva.


NOMEAÇÕES: Britaldo Soares-Filho, Paulo Moutinho, Daniel Nepstad, Anthony Anderson, Hermann Rodrigues, Ricardo Garcia, Laura Dietzsch, Frank Merry, Maria Bowman, Hissa Letícia, Rafaella Silvestrini e Cláudio Maretti (2010). Papel das áreas protegidas no Brasil mitigação das alterações climáticas da Amazônia. Www.pnas.org/cgi/doi/10.1073/pnas.0913048107 PNAS

Um comentário:

Share